sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Porto de vanguarda

E nós, que nem sabíamos que a Emma Watson tinha ido à loja do Porto! Valha-nos a revista de fim-de-semana do El País: "Madonna, David Beckham y Pippa Middleton presumen de sus zapatos de la firma Helsan. Benedict Cumberbatch (el protagonista de la serie Sherlock) ha decorado su hogar con aparadores del estudio Bat Eye. Emma Watson ha sido vista recorriendo los pasillos de la boutique A vida portuguesa, donde se dejó seducir por los productos típicos del país. 

¿Qué ha hecho que las celebridades (o sus asistentes) y los amantes del diseño amplíen su ruta de compras hasta Oporto? Sencillo, la segunda ciudad del país vecino se ha impuesto en el mercado gracias a su renovada artesanía. Sus creadores son los responsables del aumento de las exportaciones. Es más, según el Banco de Portugal, éstas crecieron un 24,2% en los últimos cuatro años y se prevé un aumento del 4,2% en 2015 y del 5% en 2016. Es el momento de pasear por sus calles para descubrir las nuevas direcciones que han provocado que todo el mundo desee regresar a esta ciudad una y otra vez. (...)"

S Moda, El País. O artigo na íntegra, aqui.

Lembrar Bordalo

Nasceu em 1846, Rafael Bordalo Pinheiro, numa família de artistas lisboetas. Quis ser actor nos palcos, mas foi afinal actor crítico de uma sociedade nas páginas das revistas que criou como A Berlinda, A Lanterna Mágica, o António Maria ou A Paródia. Desenhador, gráfico, ilustrador e caricaturista, deve-se-lhe a criação da figura do Zé Povinho. Em 1883, fundou a Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, onde, até à sua morte, em 1905, tenta um projecto artístico invulgar de investimento industrial e, simultaneamente, de procura de um certo espírito de ser português.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Orquídea - Casa de Ourives

Esta história começa com um Mestre Ourives e Joalheiro, de nome Silva. A partir de 1961, e por cinquenta anos, numa oficina dotada de punção de fabrico, em Gondomar, se dedicou a criar e vender, para o país inteiro, peças de ourivesaria que eram diversas mas sempre belas. No entretanto, teve uma filha, a que chamou Orquídea, e que havia de crescer por ali, entre as tenazes e os maçaricos. Quando chegou a altura de estudar, a pequena quis escolher outro caminho e cursar Belas Artes no Porto. Mas na hora de encontrar trabalho, percebeu o óbvio: que o seu ganha-pão, estímulo e força tinham estado sempre ali, entre o ouro e a prata. Começou a criar as suas próprias peças, que um dia se lembrou de levar à nossa loja do Porto, na esperança de mostrar a Catarina Portas umas belas andorinhas em pendentes de prata. O encanto foi imediato, aquele bando já não saiu dali e seguiram-se encomendas que também haviam de levar às demais lojas gaivotas em voos rasantes, num prodígio de movimento e simplicidade. Senhoras e senhores, eis "Orquídea - Casa de Ourives".

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A loja mais portuguesa de Portugal

"Já não é só no sótão ou em casa dos nossos avós que encontramos objectos tradicionais portugueses. Em finais de 2013 abriu no Intendente a segunda loja d'A Vida Portuguesa, no lindíssimo espaço outrora ocupado pela fábrica de azulejos Viúva Lamego. Esta loja veio dar um upgrade e ajudar à revitalização desta zona de Lisboa que tem vindo a ganhar uma vida melhor!

A primeira loja abriu no Chiado em 2007, pelas mãos da jornalista Catarina Portas, responsável por introduzir no mercado produtos de criação nacional, muitos deles em desuso ou em vias de extinção.

Nesta loja produtos antigos e genuinamente portugueses ganham uma nova vida: desde sabonetes a peças de cerâmica, dos livros às conservas, aqui encontram-se objectos que parecem saídos de uma máquina do tempo, sejam manufacturados ou industriais. Siga as bonitas andorinhas na parede, elas vão levá-lo à loja mais portuguesa de Portugal!"


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Lisboa, do sonho à realidade

"Depois de LX60 - A vida em Lisboa nunca mais foi a mesma (D. Quixote, 2012), Joana Stichini Vilela, de 34 anos, voltou a produzir o que quer que seja "um objecto de prazer". Chama-lhe um bookazine - uma mistura gráfica e textual de livro e revista - que conta histórias da década que fendeu a História de Portugal, um caminho paralelo à auto-estrada da História e à via rápida do jornalismo. É lançado oficialmente este domingo às 16h30 na loja A Vida Portuguesa no Intendente, com um "comício imprevisto" de Nuno Artur Silva com os autores do livro."

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

"Há Vida Portuguesa na Ribeira"

"É uma Vida Portuguesa em ponto mais pequeno mas onde não faltam os produtos mais populares da loja, como os cadernos da Serrote e os sabonetes da Ach brito. Mas o que a distingue das outras é a localização. Está num mercado e por isso não lhe faltam os utensílios de cozinha e as cestas de ir às compras.

As novas imagens das caixas-cabaz são de um livro que pertencia à biblioteca do Marquês de Marialva. São figuras da Lisboa do século XVIII, nomeadamente comerciantes que vendiam exactamente as mesmas coisas que, passados cento e tal anos, A Vida Portuguesa agora vende (vassouras, abanadores, bases para tachos, cestas, etc.).

As sombrinhas de chocolate, a par da máquina de furos da Regina, das pastilhas Gorila e dos sabonetes Ach brito e Claus Porto, são os best-sellers da loja. O preço explica em parte este sucesso.

Esta é uma réplica das máquinas de furos da Regina nascidas nos anos 1940s e recuperadas em 2013 pela marca. Tem 140 furos que libertam bolas de cores diferentes, cada uma delas correspondente a um chocolate da Regina.

Tal como nas outras lojas, o mobili´rio foi todo comprado em estabelecimentos antigos. O balcão veio de uma perfumaria da Almirante Reis e as mesas de madeira eram da Livros do Brasil no Bairro Alto. "Foram passear ao Oeste e fomos comprá-las lá" conta Catarina Portas.

Para o Natal vão chegar muitas novidades e no futuro poderão existir produtos da marca A Vida Portuguesa exclusivos desta loja do Mercado."

Time Out Lisboa

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Cereja do Fundão em bom(bons)"

 "Cereja macerada em aguardente do fruto primaveril, numa ganache de cereja e chocolate branco, revestida de chocolate negro. Eis o bombom de cereja do Fundão, o mais recente e delicioso produto que resulta do repto apresentado pelo município da referida cidade da Cova da Beira ao chef chocolateiro António Melgão.

A embalagem – de 16 unidade – pode ser, para já, adquirida n’ “A Vida Portuguesa”, na loja gourmet do Jumbo das Amoreiras, na Portfólio do Aeroporto de Lisboa, e no Fundão. Uma excelente ideia para oferecer no Natal."

Patrícia Serrado
Mutante