terça-feira, 24 de dezembro de 2013

"O homem dos brinquedos"


São 40 os anos que Abílio Cardoso (em 60 de vida) leva a trabalhar madeira para pôr sorrisos nos rostos dos petizes e de ilustres coleccionadores (onde se inclui até um ex-presidente da República). 40 anos da "Obra e Vida de Abílio Cardoso" que estão em exposição na Casa de Cultura de Trofa até dia 30 de Dezembro. A prova de que é possível "levar a vida a brincar".

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Era mais andorinhas mas...

... a partir de agora é oficial: também gostamos muito de corvos. Obrigada Time Out!


"Se uma loja d' A Vida Portuguesa já tentava muito boa gente, duas tentam muito mais. Isto para não falar no tamanho do novo espaço acabado de inaugurar no Largo do Intendente, em Outubro. Além de um voto de confiança numa zona da cidade que todos tentam revitalizar, o antigo armazém da fábrica da Viúva Lamego deu a Catarina Portas aquilo que já lhe faltava no Chiado para enfiar tantas marcas e produtos resgatados do passado - espaço.

Pois bem, isso agora é coisa que abunda até mesmo para vender electrodomésticos à antiga, para o caso de alguém estar cansado de modernices e querer investir num belo de um fogão a lenha. Vista Alegre e Bordalo Pinheiro há a rodos, já para não falar na possibilidade de se vestir da cabeça aos pés sem ter de sair da loja.

Ao que parece, A Vida Portuguesa também já tem pronto-a-vestir, com marcas cheias de pinta como a La Paz, Green Boots e ideal&Co. A decoração foi feita a rigor e até os móveis vieram de antigas mercearias que já fecharam portas. Afinal, a loja do Intendente pode ser uma grande novidade, mas continua a fazer-se de tradição."

Mauro Gonçalves
Time Out Lisboa
18 de Dezembro 2013

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Um luxo de Natal



A loja do Intendente faz parte do "LUXO Flash!" de Natal - ou não se encontrasse num bairro "recuperado com um forte espírito de partilha"... As compras da quadra fazem-se no número 13 do Largo.

in LUXO Flash!
Novembro|Dezembro 2013

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

"Vim ver (o Intendente) e fiquei com o coração aos saltos"

Foi jornalista até ao dia em que se assumiu como a embaixadora das marcas portuguesas. Hoje, Catarina Portas é a empresária que reúne no mesmo espaço os produtos de antigamente que contam a História do país. No final de Novembro, inaugurou a terceira loja de A Vida Portuguesa, no Largo do Intendente. Ao SOL, admite que já alertou Paulo Portas para a urgência de baixar o IVA na restauração, sector onde também tem negócios.
Entrevista de Ricardo Rego. Fotografias de Miguel Silva.
Jornal SOL, 13 de Dezembro 2013.  

Já vai na terceira loja de A Vida Portuguesa. O jornalismo está arrumado de vez?
Felizmente trabalho é coisa que nunca me falta. Agora ando muito ocupada com esta loja. É muito grande e dá muito trabalho. Estamos todos a dar o litro para fazer um bom Natal. Depois logo se vê.
Muitos jornalistas e cronistas da sua época “desapareceram”. Não acaba por ser uma demissão do papel que tinham?
Não acho. Se estamos a falar de uma certa geração jornalístia, a verdade é que os jornais têm tido alguns problemas, o que os obrigou a despedir muita gente, por um lado, e por outro deixaram de ter dinheiro para pagar aos cronistas.
Miguel Esteves Cardoso dizia há tempos que o Público era dos poucos que pagavam.
Pois. Já me propuseram escrever crónicas de borla. E eu não posso aceitar uma coisa dessas. Recuso trabalhar de borla. Fui jornalista durante quase 20 anos, quase sempre freelancer. Hoje já não sou e não posso fazer isso aos meus colegas. Seria tirar-lhes trabalho.
Tem saudades do Independente?
Não trabalhei muito tempo lá. Digamos que fui mais amiga do jornal do que jornalista. Era um jornal que tinha o seu quê de adolescente, com tudo o que isso implica.
Aceitaria regressar ao jornalismo com um projecto novo?
Hoje em dia? Dificilmente. Estou aqui muito entretida e muito divertida, sendo certo que às vezes sinto falta de projectos absolutamente inovadores e inspiradores. Acho sobretudo que a internet tem possibilidades que não foram exploradas.
O que a levou a avançar para esta nova loja do Intendente, em tempo de crise?
Este largo estava sequestrado pela prostituição e pelas drogas. Tinha uma fauna particular e era difícil para os lisboetas passarem por aqui. O presidente da Câmara decidiu mudar essa situação e acho que é um desafio interessante.
O que tem esta loja de diferente para oferecer?
A Vida Portuguesa está a fazer um percurso que acaba por ser natural: começámos por vender produtos pequenos e agora, neste novo espaço, alargámos a nossa oferta, em termos de produtos, de marcas e de fabricantes portugueses. Tentámos alargar a loja do Chiado mas as rendas naquela zona da cidade só estão acessíveis a multinacionais.
Já conhecia este espaço?
Sim, porque entretanto já tínhamos a Viúva Lamego como fornecedores. Mas depois das obras, e já sabendo que estava para alugar, vim cá ver e fiquei com o coração aos saltos. Porque é um espaço lindo. Mas tive muito medo. Demorei alguns meses a decidir...
Quais eram os seus medos?
O pais está em crise e as pessoas não compram sem pensar. Estão muito mais contidas nos seus gastos.
Conseguiu manter a estrutura original?
Só retirámos os acrescentos. De resto, manteve-se tudo. A Viúva Lamego teve aqui o seu armazém durante quase 100 anos. Pode-se quase seguir a história da Viúva Lamego através dos azulejos nestas paredes.
Os móveis da loja vêm de todo o pais. Como conseguiu chegar até eles?
Esta foi a parte mais divertida da aventura. Partilhámos no Facebook que queríamos comprar móveis de lojas e fábricas antigas. Não pararam de chegar respostas de todo o pais. Comprámos uma mercearia de Braga com quase 100 anos que estava a fechar, comprámos parte da mobília de uma loja de apetrechos para barcos em Setúbal e há ainda uns móveis que pertenciam ao arquivo de uma fábrica de papel, nos arredores de Tomar. Era uma fábrica que fazia o papel Cavalinho.
Quem é que compra produtos na A Vida Portuguesa?
Quase metade da nossa clientela é estrangeira. Isso só acontecia no mês de Agosto e esta tendência tem vindo a acentuar-se ao longo de todo o ano. Os portugueses estão a comprar menos. Lisboa está de facto na moda, e ainda bem. Temos muito a agradecer aos turistas que nos visitam, que são quem está a injectar dinheiro nas economias urbanas de Lisboa e do Porto.
O que lhe parece a aposta de Woody Allen para promover a cidade de Lisboa?
Esta ideia poderia fazer sentido se o cinema português estivesse de boa saúde, o que não é o caso. Está num momento de asfixia total e as televisões, de uma forma inacreditável e ilegal, não pagam as taxas que são devidas aos produtores.
Os seus colaboradores são bem remunerados?
Penso que são remunerados até um bocadinho acima do que é habitual no comercio. E nos anos em que é possível fazemos uma distribuição dos lucros pelas pessoas que trabalham n’ A Vida Portuguesa. No mês passado paguei 26 salários n’ A Vida Portuguesa e 28 nos quiosques. Já é muito salário para pagar todos os meses (risos).
Como consegue manter quatro quiosques com o IVA a 23%?
O negocio dos quiosques não é um negocio extraordinário, ao contrario do que muita gente pensa. Para termos quatro quiosques abertos temos 28 pessoas a trabalhar, por turnos, na cozinha ou a dar assistência, porque são espaços pequenos e a sua capacidade de armazenamento é limitada. Depois, todos os colaboradores têm contrato, porque nas minhas empresas não há ninguém a recibos verdes, excepto quando se trata de verdadeiros recibos verdes. Com o aumento do IVA, fizemos alguns ajustes mas tentámos não aumentar muito os preços, porque os quiosques estão no meio da rua e são para toda a gente, não são elitistas.
O seu irmão Paulo Portas já esteve em algum dos seus quiosques? Já, claro.
E pagou com o IVA a 23%?
Não terá pago porque certamente fui eu que ofereci (risos).
Têm falado sobre esta questão?
Sim. O Paulo tem-se batido, aliás, para que o IVA na restauração desça. Mas ele não decide sozinho e o ministro da Economia já veio dizer que esta deve ser uma das primeiras medidas de desagravamento fiscal.
Percebeu a demissão “irrevogável” do seu irmão em Julho deste ano?
Se eu percebi? Claro que percebi.
Foi um irrevogável para soar a quê?
(pausa) Eu venho de uma família onde somos todos diferentes mas os objectivos não são assim tão distintos. Compreendo perfeitamente a posição do Paulo e acho que ele teve razões para fazer o que fez. Acho que nem sempre estas razões se podem tornar públicas. Nem sempre se podem divulgar.
O que deixou de fazer por causa da crise?
Sempre tive cuidado com o dinheiro que gasto. Exactamente porque fui freelancer. Portanto, habituei-me a ter às vezes bastante dinheiro e a de vez em quando ter pouco dinheiro. Digamos que sempre fui muito higiénica com os meus gastos. Sei viver com pouco.
Li que tem um projecto de um livro para escrever sobre 20 marcas e fábricas portuguesas. Em que fase está?
Estou para fazer este livro desde o início do projecto de A Vida Portuguesa. Ele já esteve para avançar várias vezes mas como estamos sempre metidos em mais um projecto não tem sido fácil fazer um intervalo para o escrever.
E o livro sobre a história do Frágil?
Pois, ainda tenho este, que vai avançar proximamente mas de uma forma um bocadinho diferente.
Diferente como?
Não estou autorizada pelo Manuel Reis para dizer como vai ser (risos).
 
 

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Europe's Best Gifts Might Be in Porto (Hint: Not the Port)


"Porto, Portugal’s second city, is best known for its strong, sweet gluggable stuff, but it offers a trove of idiosyncratic arts, crafts, and edible treats, too, that make great gifts for holiday or any other time of year—at prices you’ll be hard pressed to find anywhere else in Europe.

Skip the first floor of A Vida Portuguesa and head straight upstairs, where you’ll find an alluring range of classic Portuguese products: Scented soaps in vintage wrapping; local produce like sardines, salt, and olive oil, all beautifully packaged; woolen blankets; and black, ceramic swallows, a design revived by the store that dates back to 1891, and has become its motif."

Rua Galeria de Paris 21-1º 35-122-202-2105

Kate Maxwell
CONDÉ NAST TRAVELER

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

"Ver" por Manuel Falcão



"Hoje proponho-vos que vão ver uma loja: a loja nova de "A Vida Portuguesa", no Largo do Intendente, na antiga zona fabril da fábrica de azulejos Viúva Lamego. Ouso chamar exposição a esta loja. Uma exposição que tem desde brinquedos a roupas, passando por conservas, azeites, produtos de cosmética ou até pastilhas elásticas. Tudo português, tudo feito em pequenas e médias empresas, tudo feito com criatividade e alma, com embalagens extraordinárias e por grandes marcas. Grandes marcas nossas - portuguesas.

Catarina Portas começou há uns anos a apostar em descobrir e incentivar estes fornecedores - heróis que resistem à ditadura das grandes superfícies, ao comércio injusto que criou um sistema onde a distribuição tem lucros e os produtores têm custos - é o mundo ao contrário: sem produtores, não havia comércio. A loja em si é enorme - coexiste com as amostras dos antigos azulejos ali fabricados e que decoram partes das paredes. Quando se percorre a loja, renasce o orgulho sobre aquilo que somos capazes de fazer, sobre quem persiste em fabricar, em produzir, em se adaptar aos novos tempos. Algumas das marcas que Catarina Portas ajudou a redescobrir ganharam, entretanto, projecção internacional - estão nas zonas de luxo em grandes cadeias de lojas em Nova Iorque, fornecem restaurantes em Londres, aparecem nas páginas de publicações como a "Monocle". Estas marcas dão-nos orgulho e mostram-nos um caminho."

Manuel Falcão
em "A Esquina do Rio", Negócios

domingo, 8 de dezembro de 2013

Tempo de presentes


A pensar em encher de "felicidade as consoadas de toda a gente", a Time Out Lisboa simplifica a sempre difícil tarefa de escolher os presentes certos para as pessoas que mais importam. Com quem nos reunimos à volta da árvore, mais este Natal. Para o melhor amigo sugere a mochila Ideal & Co, o Caixote Serrote ou os lápis aromáticos Viarco.
Para a mãe, "num tom mais egoísta, pode contribuir para a qualidade da comida com o kit Life in a Bag, para plantar micro-vegetais." Já "os pais saudosistas podem optar por partilhar memórias através de um jogo de basquetebol em miniatura" mas não há miúdo que não fique contente com um livro da Planeta Tangerina.
Os tios afastados também não ficam nada mal servidos com a caixa de Chocolates Regina e os amigos que emigraram levam uma bela terrina Tomate da Bordalo Pinheiro, hidratam a pele com o creme Benamôr e matam a sede de novidade com as Cervejas Sovina. Ou a simples arte de distribuir sorrisos como manda o espírito do presépio.

Tudo à venda nas lojas A Vida Portuguesa.
Chiado. Intendente. Clérigos.
Desde Sempre (a festejar o Natal).

sábado, 7 de dezembro de 2013

Natal expressamente made in Portugal


O Expresso veio buscar as prendas de Natal à Vida Portuguesa, com certeza. A pensar em toda a família e no melhor para a produção nacional. Destaque para o Saco de Alfazema, perfumado e alindado pelos Bordados de Viana do Castelo, para a Lata de Azeite Saloio (sempre óptimo para manda para os familiares no mundo inteiro), a Terrina Couve com o selo Bordalo Pinheiro, uma Caixa de Chocolate Arcádia com o frescor da menta e a imprescindível Água de Colónia Lavanda da Ach Brito. Para um Natal made in Portugal.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

E o prémio de novidade do ano vai para...


"Chega Dezembro, chega o frio e, com tudo isso, chegam os prémios Time Out. Tal como no ano passado, em 2013 voltamos a condecorar as melhores criações, aberturas e prestações da cidade, em todas as áreas a que a revista se dedica. Do cinema à música, passando pelos restaurantes, lojas e todos os negócios que melhoraram a nossa vida - vamos homenagear o que merece ser homenageado e pedir a vossa ajuda nessa escolha."

Nós até podemos ser suspeitos mas ficávamos muito felizes se pusessem a cruzinha na segunda linha a contar de cima (seguindo o atalho abaixo). Para eleger A Vida Portuguesa novidade lisboeta do ano.

... quem tiver mais votos. Dia 17 de Dezembro acontece a segunda edição dos Prémios Time Out e cabe-lhe a si, caro leitor, decidir quem é que vai levar para casa o corvo de ouro na categoria Novidade do Ano. (...)

A loja do Chiado que nos perdoe mas a nova Vida Portuguesa, nos antigos armazéns Viúva Lamego, veio provar que o que já é muito bom pode ser sempre melhorado. Um espaço tão amplo, alto, bonito e bem decorado que até consegue das sentido à expressão "ir às compras ao Intendente". Tiago Pais

Time Out Lisboa
4 de Dezembro 2013
Vote n' A Vida Portuguesa do Intendente como novidade do ano, aqui. Muito obrigada!

Cabaz Natalício


A última edição da Time Out Lisboa inchou com o espírito de generosidade natalício. Está ainda maior do que é costume, a abarrotar de boas prendas, como os cabazes d' A Vida Portuguesa:

"Entrar nesta loja é uma verdadeira viagem ao passado dos produtos de criação portuguesa, nas suas mais variadas vertentes. Antigos, genuínos e deliciosos. Assim se classificam os artigos que compõem este cabaz, disponível em duas caixas diferentes, cada uma com uma ilustração a decorar a tampa. Lá dentro encontra um menino Jesus para o presépio, as palhinhas do menino Jesus (para ficar mais confortável), uma bisnaga de creme hidratante Alantoíne, uma mini bisnaga de pasta dentífrica Couto, um sabonete Lavicura e uma sombrinha de chocolate Regina. Preço: 21,40€

Rua Anchieta, 11 (Chiado). 213465073.
www.avidaportuguesa.com.
Seg-Sáb 10.00-20.00. Dom 11.00-20.00"

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

"Jamais recorreria à Bolsa para financiar A Vida Portuguesa"


Fez chapéus, foi jornalista durante quase 20 anos - começou aos 19 anos -, passou pelas rádios jornais e televisões, mas, em 2004, lançou-se no mundo dos negócios. Catarina Portas criou uma das marcas mais reconhecidas no contexto das PME: a Vida Portuguesa, que se dedica a vender produtos nacionais antigos. Mais tarde virou-se para os quiosques tradicionais de Lisboa. Recuperou os quiosques e as receitas das bebidas de época que lá se vendem. Em Dezembro de 2009, foi escolhida pela revista britânica Monocle, um dos 20 nomes, a nível mundial, que merecem um palco maior e, um ano mais tarde, integrou a lista de talentos globais que ditam as tendências do futuro da revista Wallpaper. É também irmã do vice-primeiro-ministro Paulo Portas.

Esta sexta-feira foi dia de festa do lançamento da loja A Vida Portuguesa, no Intendente, com uma área de 500 m2. Qual foi o investimento e quantos empregos criou? 

Primeiro, é uma aventura, nesta altura, neste contexto e nesta zona da cidade. Não era previsível que uma loja deste tamanho e desta envergadura nascesse, talvez por isso me tenha dado tanto gozo fazê-la. Mas sim, isto significa para A Vida Portuguesa e para mim, um encadeamento lógico, porque estamos a vender mais marcas. Agora estamos a ir para a área de casa. Sempre me pareceu que esse seria o caminho. Aumentámos bastante a equipa, temos, neste momento, mais nove pessoas.

Quantas pessoas tem a equipa?
Se contarmos com a loja do Porto, que é uma sociedade com a Ach Brito, no mês passado, paguei 26 salários d’A Vida Portuguesa.

Qual foi o investimento na loja do Intendente? 

Cerca de 130 mil euros.

Beneficiou de apoios do Estado? 

Zero. Aliás, porque estou a operar na área de Lisboa, que não é abrangida pelos QREN, não tenho esse tipo de apoios. Consigo entender a lógica desse dinheiro, mas, às vezes, as lógicas que entendemos na teoria, nem sempre se aplicam na prática. Ou seja, é muito mais fácil se quiser desenvolver um projeto numa aldeia onde vivem dez pessoas. Tenho acesso a imenso dinheiro. Mas, se estiver em Lisboa, onde estão os clientes, e quiser vender produtos dessas aldeias, tenho direito a zero.

Apesar do potencial de negócio ser maior.
Exatamente. Trabalho com empresas do país inteiro, do norte ao sul do país, inclusive nas ilhas. Temos mais de 300 fornecedores ativos n’A Vida Portuguesa. Estamos a falar de muita gente e de muitas empresas.

Nesse caso, como é que olha para o discurso político em torno da importância das PME e do empreendedorismo?

Se há dinheiro para apoiar projetos, e este é um projeto grande, eu nunca beneficiei, até hoje, de qualquer espécie de apoio. Aliás, no início, fazia mesmo questão em não ter qualquer espécie de apoio.

Porquê? 

Porque acho que havia uma lógica, neste país, que é: Eu tenho uma ideia, quem é que a vai pagar? Não quis seguir essa lógica porque se uma ideia é válida, ela deve pagar-se a si própria. Mas agora, já estamos a dar um passo muito grande. Raras vezes pedi dinheiro emprestado ao banco, comecei com mil euros e tudo o que fui ganhando reinvesti. Nunca tirei dinheiro da Passos em Volta, a empresa que detém a Vida Portuguesa, a não ser aquele que meti no início.

Qual foi o investimento na loja do Intendente?
Cerca de 130 mil euros.

Beneficiou de apoios do Estado? 

Zero. Aliás, porque estou a operar na área de Lisboa, que não é abrangida pelos QREN, não tenho esse tipo de apoios. Consigo entender a lógica desse dinheiro, mas, às vezes, as lógicas que entendemos na teoria, nem sempre se aplicam na prática. Ou seja, é muito mais fácil se quiser desenvolver um projeto numa aldeia onde vivem dez pessoas. Tenho acesso a imenso dinheiro. Mas, se estiver em Lisboa, onde estão os clientes, e quiser vender produtos dessas aldeias, tenho direito a zero.

Apesar do potencial de negócio ser maior.
Exatamente. Trabalho com empresas do país inteiro, do norte ao sul do país, inclusive nas ilhas. Temos mais de 300 fornecedores ativos n’A Vida Portuguesa. Estamos a falar de muita gente e de muitas empresas.

Nesse caso, como é que olha para o discurso político em torno da importância das PME e do empreendedorismo?

Se há dinheiro para apoiar projetos, e este é um projeto grande, eu nunca beneficiei, até hoje, de qualquer espécie de apoio. Aliás, no início, fazia mesmo questão em não ter qualquer espécie de apoio.

Porquê?
Porque acho que havia uma lógica, neste país, que é: Eu tenho uma ideia, quem é que a vai pagar? Não quis seguir essa lógica porque se uma ideia é válida, ela deve pagar-se a si própria. Mas agora, já estamos a dar um passo muito grande. Raras vezes pedi dinheiro emprestado ao banco, comecei com mil euros e tudo o que fui ganhando reinvesti. Nunca tirei dinheiro da Passos em Volta, a empresa que detém A Vida Portuguesa, a não ser aquele que meti no início.

E não tem dívidas à banca? 

Agora tenho, recorri a um empréstimo pequeno, para PME, para ajudar nesta loja. Tenho tentado endividar-me o menos possível. Prefiro crescer devagar, mas de forma segura.

Essa não é a lógica seguida pela maior parte das PME portuguesas? 

Sim. Tenho alguma vantagem, é que comecei completamente inocente. Inocente e ingénua. Se calhar, até não estava preparada. A minha lógica sempre foi: este é o meu problema, como é que vou resolvê-lo, e tentar pensar as coisas com bom senso, alguma criatividade e cuidado também. Nunca fui pelas receitas habituais, porque não as conhecia. Às tantas fui fazer um curso geral de gestão na Nova Fórum, porque queria perceber se o que estava a fazer era certo, ou errado. Descobri que não me tinha enganado muito.

No seu caso, o discurso político não teve quaisquer consequências práticas?
A nível fiscal, por exemplo, tem notado alguma mudança? 
Aquilo que reparo é que, apesar de faturarmos muito, ao fim do ano fica pouquíssimo. Se quisermos tratar as pessoas que trabalham connosco de forma justa, se quisermos ser absolutamente corretos, se cumprirmos todas as nossas obrigações, o mínimo que se pode fazer - não se pode exigir nada ao Estado sem cumprir escrupulosamente tudo o que há para cumprir -, de facto, não fica grande coisa. É um facto.

O pouco que fica tem aumentado ou diminuído? 

Agora, também não acho que deva ganhar milhões.

Qual foi a faturação d’A Vida Portuguesa e os resultados líquidos? 

Tenho várias empresas, mas entre A Vida Portuguesa, em Lisboa e Porto, faturámos acima de um milhão e trezentos mil euros. O preço médio de um produto n’A Vida Portuguesa é de 4,5 euros, um valor bastante baixo. Vendemos coisas pequeninas, portanto, é preciso vender muito para chegar a esse número.

E lucros? 

Os lucros, geralmente, não chegam aos 50 mil euros.

O IRC vai baixar dois pontos percentuais para todas as empresas. No seu caso, de que forma esta redução será aproveitada?

Se reduzirem os impostos, obviamente, não é mau. O que acontece é que os lucros nunca são muitos. Mas acho que há mais problemas nas PME do que isso.

Quais? 

Há um problema de concorrência, que acho que é dramático. A grande distribuição está a açambarcar posições e deveria ser muito mais investigada e sancionada pela Autoridade da Concorrência. Muitos dos meus fornecedores são fornecedores também da grande distribuição e sei pelo que estão a passar.

Está a falar da política de preços? 

Estamos a falar de muita coisa mas, basicamente, temos, neste momento, uma grande distribuição alimentar dominada em 70% por duas únicas empresas. Têm um poder de vida e de morte sobre os seus fornecedores. Eu entro num Pingo Doce e olho para a prateleira dos fiambres e, onde estavam antes não sei quantas marcas, neste momento tenho oito embalagens de marca própria e depois tenho duas embalagens de Nobre, com os preços super inflacionados porque, basicamente, só lá estão para fazer vender a marca própria.

Também sente essa concorrência nos produtos que vende? 

Eu, felizmente, trabalho com um universo de fornecedores muitíssimo diversificado. Mas há muitas empresas que vendem para a grande distribuição e, em muitas delas, hoje em dia, há uma enorme vontade de tentar depender o menos possível da grande distribuição, porque há um enorme medo. Em alguns casos, isso tem sido conseguido com a exportação. Há muitas empresas, em Portugal, que se estão a dedicar tão furiosamente à exportação, também porque estão demasiado dependentes da grande distribuição. Temos uma grande distribuição que não hesita em riscar uma empresa e importar. Há um fenómeno muito interessante n’A Vida Portuguesa. Não é só o que vendemos, que são, de facto, grandes quantidades, mas também aquilo que fazemos que outros vendam também. Há muitas lojas em Portugal que se inspiraram no nosso modelo, e depois há muitos estrangeiros que estão no comércio lá fora, que vão às nossas lojas, gostam desse produtos e encomendam-nos. O último caso mais espetacular foi o do diretor artístico da Christian Lacroix, que descobriu a nossa loja no Porto e de lá saiu com vários sacos de compras, levando o creme de mãos Alantoíne. Hoje em dia, o Alantoíne está à venda na concept store da Christian Lacroix, em Paris. E, segundo me confessou, há uns dias, há gente que volta à sua loja, exatamente, para comprar aquele creme de mãos.

Já disse que, no seu caso, por inocência ou não, nunca recorreu ao crédito. 

Tento, aliás, também na minha vida pessoal, viver com o que tenho e só, em casos indispensáveis, é que recorro ao crédito.

Uma das soluções apontadas para as empresas se financiarem é a dispersão do capital em Bolsa. No seu caso, essa é uma hipótese viável? 

Cada um sabe do seu caso. Eu, no meu caso, jamais recorreria a isso.

Porquê?
Porque eu gosto de controlar [gargalhadas].

Não é vergonha nenhuma, escusa de corar. 

Gosto de controlar muito bem as coisas e, talvez por isso, também nunca tenha recorrido ao franchising, e os pedidos foram imensíssimos, tanto para Portugal como para o estrangeiro. Talvez um dia lá chegue. Mas, como até aqui, também eu estava a aprender, pareceu-me muito perigoso começar a dispersar o meu negócio por pessoas que mal conhecia. Prefiro ter poucas lojas, mas saber exatamente como elas são, fazê-las como acho que devem ser, vendendo exatamente aquilo que quero, controlar muito bem as coisas. Não tendo vindo da área da gestão, a minha defesa foi sempre saber exatamente o que estou a fazer.

E ir para fora é uma ideia que lhe passa pela cabeça? 

Vendemos para algumas lojas lá fora e já fomos contactados várias vezes para isso. Acho que haveria possibilidades de fazer isso lá fora, mas isso pressupõe também dinheiro, é certo, e também prescindir de tempo na minha vida pessoal, que já não é muito, que é o que acontece aos control freaks.

As pessoas têm também, muitas vezes, uma relação emocional e cultural com os produtos que vende, portanto, o sucesso lá fora não seria tão fácil como cá. 

Isso foi exatamente o que pensei no início. A primeira vez que fui à feira Maison et Object [em Paris], com o stand da Confiança, pensava que os estrangeiros não reagiriam grande coisa, que não se impressionariam com a coisa, e foi exatamente o contrário. Levava caixas de sabonetes com os rótulos originais dos anos 40 e 50 e, de facto, vendi, por exemplo para lojas como a Designers Guild, em Londres, ou como a Gorrant Shop. Foi aí que percebi que os estrangeiros reagem a isto. E esse é um facto que constato todos os dias com os turistas. Nós não exportamos no sentido em que não vendemos além fronteiras, mas nós vendemos para estrangeiros dentro do país. Os portugueses estão a comprar muitíssimo menos. Fazemos um cálculo se é dinheiro estrangeiro ou dinheiro português e, neste momento, estamos quase em 50% de capital estrangeiro.

Os empresários portugueses estão demasiado dependentes do Estado, esperam pela ajuda do Estado para desenvolverem os seus projetos? 
Acho que é um bocadinho assim. Em alguns casos isso fará sentido. O Estado somos todos nós e é normal que o Estado exista para facilitar, para impulsionar e até para definir estratégias em alguns sectores.

O facto de ter investido na loja do Intendente num contexto económico difícil é a prova de que o seu negócio conseguiu resistir à crise. Já sente a recuperação da economia de que o Governo tanto fala? 

Temos continuado a crescer, mesmo ao longo destes anos de crise. É uma coisa absolutamente extraordinária.

A que ritmo?
Estamos a falar de menos de 10% ao ano, mas sim, temos crescido um bocadinho. Isso tem muito a ver com o crescimento no turismo, não tem a ver com o portugueses.

Sentiu uma redução no consumo? 

Claro, absolutamente! Antes, havia quem comprasse sem pensar, depois as pessoas começaram a pensar duas vezes, e acho que, neste momento, pensam sete vezes antes de comprar. No domingo passado, por exemplo, a loja no Intendente estava cheia, mas as pessoas compraram pouquíssimo.
Há uma coisa muito importante que aconteceu com esta crise, e não foi só uma mensagem do governo: as pessoas começaram a ter consciência do que é o consumo e de como o consumo afeta a economia em geral, como aquilo que compram todos os dias se reflete nos resultados e na realidade económica do país. Isso também nos tem beneficiado, porque as pessoas perceberam que se comprarem produtos nacionais, em vez de estrangeiros, o dinheiro fica cá, é reinvestido, paga salários, e por aí fora.

Mas isso só acontece quando o preço é um factor que não pesa? 

Obviamente que há o fator preço e há pessoas que não têm hipótese de fazer essa escolha. Mas as que têm, é muito importante que o façam, neste momento. Costumo dizer que, quando vamos votar, elegemos um governo, mas também há uma espécie de voto, todos os dias, quando vamos às compras. Estamos a votar em empresas, na forma como elas funcionam, se queremos dar o nosso dinheiro a uma empresa que paga salários em Portugal, com as regras de trabalho que nós temos, ou se queremos dar o nosso dinheiro, o nosso voto, a uma empresa que está a cilindrar toda a gente e que está no mercado com uma única preocupação, o preço.

Está a pensar em alguma? 

Estou a pensar na grande distribuição. Sabe quantas histórias já ouvi, cada uma mais terrível do que a outra, de empresas que só não acabaram porque têm pessoas extremamente valentes à sua frente?!

Por pressão da grande distribuição? 
A empresas da grande distribuição querem fazer uma marca própria e contactam um fornecedor, que sabe perfeitamente que no dia em que fizer a marca própria do tal supermercado, os seus produtos vão descer para a prateleira do fundo para se vender a marca própria. Ele sabe que está a contribuir para a sua desgraça, mas não tem outra hipótese. Três meses depois, a dita empresa vai ter com ele e diz-lhe: primeiro, já não estamos interessados nos seus produtos, acabou, e depois, está a ver aquela marca branca que desenvolveu para nós, agora vamos passar a produção para a Ásia, adeus e até um dia.

Confronta-se com casos destes no seu dia a dia? 
Completamente. Trabalho com muitas empresas, algumas delas familiares, que vão na segunda, terceira ou quarta geração, e que têm toda uma história atrás de si, já atravessaram muitas crises. Chamo-lhes empresas valentes, por resistirem a várias dezenas de anos de convulsões políticas, económicas. Não é fácil. Elas devem concentrar-se em fazer produtos, que depois devem valorizar, que devem saber comunicar e inovar, e ir para um outro tipo de distribuição, que não a grande distribuição.

Sente a recuperação da economia nas atitudes dos seus clientes e fornecedores?

Diria que, no verão, as pessoas começaram a ficar ligeiramente mais optimistas. Mas acho que agora estão outra vez mais receosas.

Por causa do Orçamento de Estado? Sentiram novamente o peso da austeridade?
Obviamente.

Quais são os produtos mais vendidos n’A Vida Portuguesa? 

O produto mais vendido, em unidades, são as pastilhas Gorila, porque custam 10 cêntimos e estão ao pé da caixa. A seguir são as sombrinhas de chocolate da Regina. Mas, depois, a área que mais vendemos é a perfumaria. Trabalhamos com várias marcas, como a Ach. Brito, que é um farol para muitas destas empresas de que falamos, percebeu muito cedo o potencial enorme do seu arquivo histórico, e tem explorado isso muitíssimo bem, está a vender para várias dezenas de países em todo o mundo. Vendemos também a Confiança, a Couto, ou a Nally. Depois, há a área alimentar, como os chocolates, da Regina, ou a Arcadia. Temos a história das andorinhas, um produto que está ligado ao nosso início, pois foi uma proposta que foi feita ainda aos anteriores donos, da Bordalo Pinheiro. Era uma peça completamente esquecida, que a Bordalo praticamente não fazia, e eu propus relançar as andorinhas. Temos promovido essa andorinha e, de facto, a Bordalo fazia dez andorinhas por ano, hoje em dia, vendemos 10 mil.

Disse, numa entrevista, que o seu intuito não é fazer dinheiro. Então, qual é o seu objetivo?

O meu intuito é fazer dinheiro sim, mas não fazer dinheiro pelo dinheiro. É fazer dinheiro para que o negócio continue a crescer e as fábricas prosperem, para que as pessoas tenham emprego, para que se exporte mais e por aí fora.

Paga bons salários? 

Pelo que sei, pago acima do habitual. Atenção, porque no comércio e na restauração, em geral, não se pagam grandes salários. Mas, toda a gente está a contrato, obviamente. No caso d’A Vida Portuguesa em Lisboa, quando há margem para isso, é feita a distribuição de lucros com as pessoas que lá trabalham. As pessoas que estão n’A Vida Portuguesa não estão apenas atrás de um balcão, têm consciência de que esse balcão é uma frente avançada de toda a produção portuguesa que está atrás. Muitas vezes conhecem também os nossos fornecedores, portanto, sabem que, quando estão a vender, estão a representar muita gente, centenas ou até milhares de pessoas, que estão por trás a trabalhar, e que é graças a elas que mantém os seus empregos.

A Catarina é irmã do vice-primeiro-ministro Paulo Portas, que está num campo ideológico oposto ao seu.
Pois sou, com muito orgulho!

Já teve oportunidade de falar com Paulo Portas sobre estas queixas que faz sobre a grande distribuição e a investigação que, diz, deveria ser feita? 

Já, falámos muitas vezes sobre tudo isto. E muitas vezes estamos de acordo. É uma grande preocupação minha e acho que é uma também uma preocupação dele. Por exemplo, a história do Pingo Doce com o 1.o de Maio, tornou óbvio para as pessoas uma série de coisas, nomeadamente o dumping, que as cadeias não se coíbem de praticar e que são contra a lei. Isso tem dado origem a várias coisas, nomeadamente à PARCA [Plataforma de Acompanhamento das Relações na Cadeia Alimentar], que pretende criar regras mais justas.

Conversa com ele sobre o Governo, o país, sobre as opções ideológicas do governo? 

São conversas pessoais, de irmãos, de pessoas que gostam uma da outra, e de pessoas que se preocupam.

Dá-lhe algum conselho? Irrita-se com as opiniões dele? 

Não, temos um grande sentido de humor e um imensíssimo respeito pelas nossas diferenças. Sempre tivemos, na nossa família, sempre fomos todos diferentes e sempre nos demos muito bem. Acho que isso é a coisa preciosa, para mim não há nada mais natural do que essas diferenças.

Algum conselho? 

Acho que ele não precisa de conselhos, é uma pessoas com muito bom senso.

A Vida Portuguesa e os quiosques são a face mais visível da sua atividade empresarial, mas faz muitas coisas ao mesmo tempo. Foi notada no estrangeiro pela revista Monocle, que a escolheu como uma das vinte pessoas, a nível mundial, que deveria ter um palco maior. O que faria se tivesse direito a esse palco maior? 

Olhe, por acaso, tenho de decidir hoje se vamos ou não à Feira de Natal da Monocle. Fomos convidados, tal como no ano passado, e foi curioso, pois eles convidaram 20 marcas e nós éramos a única que não tem loja em Londres. Já tive em conversas para abrir uma loja em Londres, mas vamos fazendo as coisas com calma.

Ainda não tem nenhum projeto nesse sentido? 

Concreto, neste momento, não. Há conversas.

E se estas conversas resultarem em alguma coisa, podemos esperar alguma coisa nos próximos meses? 

Não sei, o que temos de pensar é até onde é que queremos crescer, e se é isso que queremos. Eu, às vezes tenho um bocadinho de mixed feelings em relação a isso. Se há coisa que hoje em dia me enerva de uma forma louca, é este retalho obsessivo, ou seja, é encontrar as mesmas marcas em todo o lado onde vou, tanto em Portugal como no estrangeiro. As cidades começam a ficar todas iguais, hoje em dia as grandes ruas comerciais das cidades são iguais a corredores de aeroportos, é tudo igual. Temos uma loja da Mark Jacobs ao pé da nossa loja do Chiado, temos uma Mark Jacobs ao pé da loja do Porto. É um criador cujo trabalho aprecio, mas lembro-me que, há dois anos, fui a Nova Iorque e saí à rua, tinha cinco lojas Mark Jacobs à minha frente e pensei “para que é que atravessei um oceano?” Para encontrar exatamente as mesmas coisas? No ano passado, estive em Bangkok, uma cidade onde tinha ido há dez anos, onde estive uns meses, e que tinha centros comerciais fantásticos, com lojas tailandesas, cada uma mais criativa que a outra, com coisas muito bonitas, agora, a única coisa que encontrei foi Hermés, Zara, Burberry, as mesmas marcas do costume, as mesmas coisas. Estou farta! Não quero que a minha cidade seja assim, não pode ser só isto. Atenção, que ao pé disto sou um formiga, não mes estou a querer comparar, nada disso, mas quando penso em crescer, às vezes, penso em fenómenos destes.

O fenómeno pode ser visto ao contrário. Em Londres tem todas essas marcas todas, mas não A Vida Portuguesa. Não seria bom A Vida Portuguesa destoar, no bom sentido?
Tenho muito medo das coisas que crescem muito, assim como tenho medo das empresas de distribuição que tendem sempre a querer crescer mais para terem mais lucro, e que, pelo caminho, vão espezinhando mais fornecedores. Também tenho muitas dúvidas sobre lojas ou marcas que cada vez crescem mais e que, depois, nos seus sistemas de produção têm que recorrer a países de terceiro mundo, com salários miseráveis. Estive no Laos, o ano passado, é um país comunista, que está, neste momento, a entrar na Organização Mundial do Comércio, e vai ser o próximo Vietnam, vai ser o próximo Bangladesh. Olho para a vida daquelas pessoas que, por enquanto, ainda não estão escravizadas com uma máquina de costura durante dez ou doze horas por dia, com uns salários miseráveis, mas que, enfim, vão poder comprar umas televisões e ver o Big Brother, e penso é este o modelo de sociedade, é este modelo de civilização que nós temos para propor aos outros? Isto vale a pena? Acho que temos sempre que questionar tudo e pensar sobre tudo.

Em 2014, A Vida Portuguesa chegará a Londres?
Em 2014, provavelmente, não teremos A Vida Portuguesa em Londres. Gostaria de estender este modelo de Lisboa para o Porto, por exemplo. E também é provável que o negócio dos quiosques, que é um negócio muito importante para mim e que me dá uma enorme satisfação, venha a crescer. Já cresceu este ano. Desta vez, comprámos mesmo um quiosque, dos poucos quiosques privados que existiam em Lisboa. É o nosso mais novo na família, vai fazer 100 anos no próximo ano. O quiosque do Largo de São Paulo, que estava há três gerações na mesma família, quisemos comprá-lo, mas a pessoa que o tinha também o quis vender a nós, e isso deixa-me muito orgulhosa. Esse negócio sim, também, vai crescer.

Define-se como uma empresária com atitude de jornalista. O que é que isto significa? 

A força que eu tenho neste negócio, em relação, por exemplo, a todas as inspirações e, em alguns casos, situações de plágio, aquilo que nos diferencia dos outros, é a pesquisa. Nunca paro de pesquisar, nunca paro de ir às fábricas, nunca paro de fazer perguntas, nunca paro de querer conhecer arquivos, de colecionar as embalagens antigas, de saber mais, de procurar mais. Essa, acho, é a nossa força em relação aos outros. E isso é uma coisa que vem, obviamente, do jornalismo.

Entrevista de Sílvia de Oliveira (Dinheiro Vivo) e Hugo Neutel (TSF).
Fotografia Gerardo Santos (Global Images).
Em formato audio aqui e vídeo aqui.

Dinheiro Vivo, Diário de Notícias
30 de Novembro de 2013


segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

"La vida lisboeta"


"En este mes pasado me volví loca paseando por las calles de Lisboa, que son una viva muestra de lo que quiero decir. Lisboa ha experimentado un proceso que deberíamos estudiar: más conservadores que nosotros en cuanto al respeto a su pequeño comercio, lo que hace una década podía catalogarse como rancio o fuera de época, hoy desprende un aliento cálido que atrae al visitante y sirve de referencia emocional al lisboeta. He vivido durante un mes en esas calles de La Baixa que en su mayoría tienen nombres de oficios y aún siguen haciendo honor a la razón de su bautismo. La calle Conceição es el edén de las mercerías, las tiendas de lanas, de tejidos, de manualidades, que han visto rejuvenecida su clientela una vez que la crisis ha empujado a la gente a volver a valorar lo que unas manos expertas producen y restauran.

Miro los escaparates y me entran ganas de saber tejer, bordar, cortar o hacer ganchillo. Y veo que en el interior no solo hay abuelas, también ronda algún joven de barba alternativa que está aprendiendo a hacer punto. Los oficios en Lisboa han perdurado. Y el comercio es sagrado y define la ciudad a cada paso. Cada dependiente sabe lo que vende; cada camarero, lo que sirve. Y todos ellos lo hacen con una especie de solemnidad que hacen visible en el envoltorio de un producto o en la preparación de un café de Balão. ¿Es sentimentaloide lo que describo? En absoluto, es práctico, peculiar, atractivo, y esa mezcla está haciendo revivir a esta ciudad de incontables secretos muy castigada por la crisis.

Movida por esa intención de autenticidad, una mujer, Catarina Portas, decidió reunir hace unos diez años todos aquellos productos artesanales que habían definido la vida cotidiana del país: jabones, estuches de pinturas, cerámica popular, ropa de casa, juguetes rudimentarios, cremas de manos, estropajos, galletas, conservas… No solo se trataba de volver a poner en circulación el contenido, sino el tradicional continente: los envoltorios originales, a menudo primorosos, que convertían un jabón en un objeto de regalo. Recorrió el país de punta a punta buscando esos productos que estaban conectados con la memoria sentimental de tantos pasados y dio nueva vida a objetos de pequeñas fábricas que a punto estaban de extinguirse.

El resultado es una tienda, A Vida Portuguesa, que se ha convertido con todo mérito en una especie de museo vivo del comercio popular portugués. Las golondrinas de cerámica, las célebres andorinhas, que antaño adornaron las terrazas, ahora han anidado en la intimidad de los dormitorios, y las jarras extravagantes con boca de pez o de rana, diseñadas por ese genio del dibujo que fue Bordalo Pinheiro, vuelven a vestir las mesas. El resultado es que cuando una se encuentra en el interior de la tienda quisiera quedarse a dormir allí, para disfrutar el sueño de los niños, rodeada por esas maravillas que además de ser un regalo para la vista, el tacto y el olfato fueron fabricadas para su uso diario. No me mueve el sentimentalismo, sino el convencimiento de que tan solo la vieja alquimia de practicidad y belleza puede salvar el espíritu de las ciudades, para que no nos veamos convertidos en replicantes que habitamos un universo de franquicias."

Elvira Lindo Garrido
EL PAÍS

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

The history of Portugal through merchandise



"A Vida Portuguesa is a shop where you can trace the history of the Portuguese through their incredible range of traditional merchandise. Located on the first floor of a beautiful old building, the original area has been refusrbished and converted into a space where you can breathe and absorb the authentic Portugal. With Large windows and typical décor, here you can find all kinds of products you would and wouldn't expect, including arts and crafts, olive oil, traditional toys, books and a good deal more."

Texto e imagem: Luísa Sequeira para o número 4 de 2013 da revista FLYDOSCOPE.

A VIDA PORTUGUESA
Rua Galeria de Paris 20-1º
Clérigos, Porto

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

"A jóia da coroa do Intendente"


"Seis anos depois de ter aberto no Chiado a primeira loja d' A Vida Portuguesa, a marca de Catarina Portas chega ao Intendente com um espaço que impõe respeito. É maior, tem mais produtos e está cheio de história, além de todas as pequenas curiosidades que cada marca portuguesa resgatada do esquecimento já traz consigo. Quem é fã da marca vai continuar a encontrar os produtos a que já se habituou, mas o novo espaço chega com novidades que a loja da Rua Anchieta não comportava. Decoração, louças, utensílios de cozinha, artigos de jardinagem e até banheiras e fogões a lenha que desafiam os visitantes a sacar da máquina fotográfica.
O bairro está longe de ter a maior tradição comercial de Lisboa, mas se é para revitalizá-lo, então há-que fazê-lo em grande. "O Intendente não é um sítio onde as pessoas venham fazer compras - pelo menos legais -, mas acredito que pode funcionar. Além disso, esta loja é a prova do que A Vida Portuguesa pode fazer, não só pelos produtos portugueses, mas também pela cidade", afirma Catarina Portas, na qualidade de proprietária babada.
Os 500 metros quadrados de área, o pé direito alto e o sortido de azulejos gastos em algumas paredes não enganam. A loja veio parar ao antigo armazém da Viúva Lamego, mas os fósseis da tradição portuguesa não ficam por aqui. O espaço foi mobilado com peças de fábricas e mercearias que já fecharam, vindas de todo o país. Resultado: estantes corridas e gavetas que se repetem ao longo de metros, onde os produtos da casa brilham ainda mais. É de referir que a parte dedicada à mercearia está maior, tal como a secção de têxteis, agora com direito a pronto a vestir com chegada da marca portuense La Paz. Para breve, está a inauguração de um cantinho dedicado à joalharia nacional, dentro da loja que já de si é a jóia da coroa do Intendente."

A Vida Portuguesa. Largo do Intendente Pina Manique 23.
21 197 4512. Todos os dias 11.00-20.00.

Time Out Lisboa
16 de Outubro 2013

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Presentes autênticos

Coisas que nos põem um sorriso no rosto: quando estrangeiros de diferentes proveniências entram porta adentro com recortes de revistas antigas que os fizeram vir a Lisboa e até nós. Como este, da revista Biba, trazido por uma gentil francesa:

"Comprar presentes autênticos n' A Vida Portuguesa. Catarina Portas voltou a trazer à ordem do dia os produtos portugueses caídos em desuso, como as sardinhas em cerâmica e as andorinhas a pendurar na parede... Criou parcerias com fabricantes nacionais para relançar linhas de sabonetes, dentífricos, produtos de limpeza e brinquedos de outros tempos.
Rua Anchieta, 11. Tel.: 21346 5073, www.avidaportuguesa.com"



segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Dupla ideal


Numa altura em que se usa e abusa do termo "empreendedorismo", o que nós gostamos mesmo é de conhecer os rostos e saber as histórias de gente que, contra os presságios mais pessimistas, arregaçou as mangas e se lançou à tarefa de fazer acontecer. Como a Rute Vieira (que tem a indústria dos cortumes nos genes) e o José Lima (um apaixonado por bicicletas e seus acessórios). Cruzaram-se na indústria têxtil, desenvolveram colecções para diversas marcas nacionais e internacionais e formaram a dupla de designers responsável pelo processo criativo da Ideal & Co.

A marca nasceu em 2012 mas foi beber inspiração à prática de uma das actividades mais antigas da humanidade, a de curtir peles, iniciada em 1935 pelo avô de Rute, António Vieira, quando tinha apenas 14 anos. O cenário era o do Parque Natural da Serra de Aires e Candeeiros, onde vai buscar as mais excelsas matérias primas, com o maior respeito ecológico pelo enquadramento envolvente; usando os melhores couros portugueses para manufacturar malas, mochilas, capas para tablets e telemóveis, acessórios de bicicletas, estacionário para escritório e outros artigos em pele.

A trabalhar com a Indústria de Cortumes da Região de Alcanena, na área das peles de curtimento 100% vegetal, recuperam-se técnicas ancestrais de tratamento e fabrico do couro. Cada artigo é cortado individualmente, costurado e montado por um único artesão, o que permite encomendar peças isoladas e específicas, feitas à medida. Faz sentido. É ideal. Ideal & Co. Living Heritage.

À venda n' A Vida Portuguesa
Loja de Casa | Largo do Intendente 23
Todos os dias das 11h00 às 20h00





domingo, 10 de novembro de 2013

Verde cor de orgulho


Botas que são uma preciosidade do trabalho manual e artesanal, de Leiria para o mundo, agora também na Loja de Casa A Vida Portuguesa do Largo do Intendente. "Green Boots": these boots were made for walking. And pretty much everything else, really.

A perícia das mãos ao serviço da melhor tradição do calçado português. Botas que se fazem ao caminho a partir de Leiria mas já vão mundo fora. O seu processo de fabrico é demonstrado neste vídeo.


A "Green Boots" é uma das novas marcas da Loja de Casa A Vida Portuguesa. Largo do Intendente 23, Lisboa. Todos os dias das 11h00 às 20h00.




quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Das inspirações d' O Editorial

"Depois do sucesso no Chiado e Porto, A Vida Portuguesa abriu uma nova loja no Bairro do Intendente, Lisboa. Sendo a âncora para a renovação desta zona da cidade, o novo espaço dedicado à casa apresenta as marcas divulgadas pela A Vida Portuguesa desde há muito e novas adições como a Ideal & Co ou Green Boots."




Outras inspirações: O Portugal de Catarina Portas. O tesouro nacional que é a Fábrica de Sabonetes Ach Brito. A modernidade a reinventar a tradição nas malas de pele Ideal&Co.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Maria Keil em exposição

O seu olhar estendeu-se ao país inteiro mas Lisboa, a sobre e a subterrânea, está particularmente povoada pelas cores e os azulejos de uma senhora que foi pintora, ilustradora, designer e cenógrafa. Um talento de abundância que é um presente mas também um futuro admirável. Para redescobrir num painel de azulejos, num livro infantil ou na exposição De propósito... Maria Keil, obra artística. No Palácio da Cidadela de Cascais até domingo, dia 27 de Outubro.  Digamos, muito simplesmente, que é uma das nossas artistas favoritas.



A exposição, pelos olhos da Time Out: "Muitos de nós passamos todos os dias por Maria Keil sem saber. Ela já não está entre nós em pessoa mas vemo-la em Lisboa, em muitos locais. Como? Através das suas obras em azulejo que povoam espaços públicos. Mas esta é apenas uma das várias dimensões dos seus trabalhos, que não são tão conhecidos como seria de esperar para uma carreira tão produtiva. A artista nasceu em Silves em 1914 e faleceu em Lisboa em 2012, e agora, no dia em que perfazem dois anos desde o seu falecimento, o Palácio da Cidadela de Cascais inaugura uma exposição retrospectiva da sua obra com o título “De Propósito”.
 
Organizada pelo Museu da Presidência da República, esta exposição mostra trabalhos de pintura, desenho, figurinos, design gráfico e ilustração, entre outras áreas. “De propósito” é uma alusão à frase dita por Maria Keil, por ocasião do seu 80.º aniversário: “Faço 80 anos, sim, e é de propósito”. A ironia subjacente em grande parte dos seus trabalhos, a desconstrução, a diversidade de abordagens e de suportes e a fuga a categorizações espelham a personalidade desta artista. Ao todo, 80 foram também os seus anos de trabalho, aqui espelhados, para maior e melhor compreensão por parte do público.
 
Como diz Alexandre Pais, investigador do Museu Nacional do Azulejo, “Maria Keil é uma presença constante no quotidiano lisboeta. A pesquisa efectuada na procura de novas expressões plásticas e a relação com a arquitectura e a funcionalidade dos locais onde os azulejos eram aplicados, são dois dos aspectos mais relevantes de uma obra pessoal, atenta ao mundo que a rodeava, reinterpretando influências e a História à luz de novos desafios”. Mas no campo da ilustração é autora de imagens criadas para textos literários e livros para crianças durante cerca de 70 anos (entre 1940 e 2007). Já nos domínios do design gráfico a sua produção assentou em anúncios, cartazes, capas de livro, selos e sobretudo ilustrações. Nas artes performativas também Maria Keil colocou a sua assinatura: os figurinos e cenários que desenhou serviram de elementos importantes para espectáculos de dança. Como pintora, especializou-se na paisagem e retrato, tendo sido companheira dos neo-realistas. Como prova da sua versatilidade e riqueza plástica, ainda são expostos aqui exemplos de desenho de mobiliário para interiores comerciais, ligados à restauração e à hotelaria, e para interiores domésticos.
 
Maria Keil foi uma mulher que se soube impor num pequeno universo dominado pelos homens – e esta semana a prova está em Cascais, para todos verem.
 
De propósito... Maria Keil, obra artística. A partir de quarta no Palácio da Cidadela de Cascais (Passeio D. Maria Pia) e até 27 Out. Qua-Sex 11.00-17.00; Sáb 10.00-18.00;Dom 14.30-18.00. Bilhetes: 2,50€"

E disponíveis na nossa loja online:
Preciso e precioso, Desvio Padrão é um livro com DVD sobre o trabalho de azulejaria decorativa de Maria Keil, nas primeiras estações de metro da cidade de Lisboa. Inclui entrevista com a artista.
As Três Maçãs é um delicioso livro infantil sobre um menino, uma menina e três peças de fruta para dividir. Histórias de "amor de mais".






segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Um doce de máquina



Já está a bombar a Máquina de Furos Regina que acaba de chegar à loja do Intendente. Até ao final da semana haverá também uma no Chiado e outra no Porto. O funcionamento é simples, como relembra o Briefing: "Originalmente criada na década de 40, a máquina de furos apresenta uma cartela amovível com 140 furos que liberta bolas coloridas, variando entre sete cores possíveis. Cada cor corresponde a um produto, sendo que o consumidor paga um preço fixo (80 cêntimos) para fazer um furo e tem sempre direito a um chocolate."
"Numa primeira fase, serão lançadas 50 réplicas fiéis das Máquinas de Furos Regina, construídas em madeira, e que estarão disponíveis nas lojas d'A Vida Portuguesa e em estabelecimentos gourmet. (...)

Desde o início da abertura das lojas A Vida Portuguesa, os produtos mais emblemáticos da Regina sempre tiveram presença nestas lojas. A parceria entretanto tem vindo a reforçar-se, como por exemplo, com a recuperação do Chocolate confortável para Turistas (tabletes Regina de 100 gramas de chocolate negro, de leite e com amêndoas) – assim conhecido por ser uma das atrações irresistíveis para os estrangeiros que visitavam a Costa do Sol nos tempos glamorosos das décadas de 30 e 40. 

A Vida Portuguesa também inclui produtos Imperial nas iniciativas em que está presente, como a Bienal de Veneza, por exemplo. Os Chocolates Regina foram selecionados para venda na loja do cacilheiro "Trafaria Praia", pavilhão flutuante da representação de Portugal na bienal de arte de Veneza deste ano. Com a instalação das réplicas das Máquinas de Furos da Regina nos balcões d' A Vida Portuguesa, esta parceria consolida-se ainda mais."

Manuela Tavares de Sousa
CEO da Imperial em entrevista ao Briefing.




"Uma das lojas mais bonitas de Lisboa"


"Not only is this one of Lisbon’s most beautiful shops, it also offers some of the most genuine products in the city. Some of them were near extinction before they once again became must-have items such as the Ach Brito soaps and fragrances. A second, more recent space also offers homeware.

Não é apenas uma das lojas mais bonitas de Lisboa, oferece também alguns dos produtos mais genuínos da cidade. Alguns deles estavam perto da extinção até se tornarem novamente (re)conhecidos, como foi o caso dos sabonetes e perfumes Ach Brito. Um segundo espaço mais recente também oferece produtos para a casa."

LISBONLUX

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

"As andorinhas d’A Vida Portuguesa já voam no Intendente"


No antigo armazém da Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego acaba de abrir a nova loja A Vida Portuguesa, de Catarina Portas. São dois andares, e há novidades: um horto, peças de têxtil-lar, vestuário, banheiras, fogões. E até, para quem quiser, candeeiros de rua e coretos. No tecto, as andorinhas de sempre.
Catarina Portas está sentada junto a uma janela no café O das Joanas, numa das esquinas do Largo do Intendente, ao lado da nova loja de A Vida Portuguesa que acaba de inaugurar. Conversa com a Fugas, enquanto come uma sopa e uma salada, e está constantemente a cumprimentar pessoas que entram no café ou que passam na rua. O largo, que nos últimos tempos se tem vindo a transformar gradualmente – abriram espaços novos, como a Casa Independente ou a Largo Residências, e até o presidente da Câmara, António Costa, se mudou para ali – parece cada vez mais um bairro familiar. 

A própria Catarina deixou a sua casa e esteve, temporariamente, a viver nas Largo Residências enquanto preparava a nova loja: dois andares, no antigo edifício da Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego, coberto a azulejos com figuras de chineses que mostram, em faixas, a data de fundação da fábrica, 1849. À noite ficava a olhar o largo da janela, e de dia descia as escadas e vinha acompanhar as obras de adaptação da loja – que mantém, no essencial, o carácter da antiga fábrica e armazém, nomeadamente a grande variedade de azulejos (não deixem de espreitar o espaço onde estão expostas as peças de ourivesaria da Topásio), aos quais se juntaram móveis recuperados de antigas mercearias e lojas que foram fechando pelo país. 

Mas tão ou mais importante do que a preparação do espaço foi o trabalho prévio, de escolha de marcas e peças para colocar na nova loja (a irmã mais nova, embora maior, da A Vida Portuguesa original, no Chiado, a que veio mais tarde juntar-se a loja do Porto), que tinha a ambição de entrar por novas áreas, como o têxtil-lar e o vestuário.


À descoberta da portugalidade
“Eu e a Patrícia Abrantes, a directora desta loja, que veio da Área e é uma pessoa com quem eu há muito tempo tinha vontade de trabalhar, fomos numa viagem às fábricas”, conta Catarina. “Concentrámo-nos em áreas em que a produção portuguesa é especialmente boa: no têxtil-lar somos dos melhores da Europa, na cerâmica também, na cutelaria somos muito bons. Depois há nichos de mercado, como as banheiras da Recor, em ferro fundido esmaltado, de uma fábrica da zona de Aveiro, que exporta quase toda a sua produção”.

Foi mais uma viagem de descoberta. Se, quando abriu a primeira loja, Catarina fez um aprofundado trabalho de identificação, e em vários casos de recuperação, de marcas antigas, agora descobriu realidades diferentes. Procurou marcas estabelecidas (e, que têm, todas elas, já forte projecção internacional), dialogou com os proprietários, e tentou encontrar as peças que mais se enquadrassem no espírito de A Vida Portuguesa. “A minha intenção era apresentar produtos que dissessem imediatamente ‘eu sou de uma fábrica que tem não sei quantos anos’, que fossem marcas antigas, com história”. 

Encontrou, por exemplo, a CIF (Companhia Industrial de Fundição). “Fica em Gondomar, junto ao Douro. Numa altura em que ainda não havia estrada eles já existiam, e as coisas seguiam pela estrada fluvial para a Ribeira, onde tinham o armazém”, conta. Actualmente, o principal negócio da CIF são os recuperadores de calor, em grande parte para exportação. “Mas eles faziam tradicionalmente uma série de peças como os candeeiros de iluminação pública das cidades, aquelas lanternas lindas que estão nos Aliados [no Porto] são da CIF, os bancos de jardim, os coretos”.


Na loja do Intendente há espaço para expor os fogões a lenha de ferro, as panelas, os tachos, as frigideiras, as chaleiras, as salamandras (“o modelo mais pequeno que temos é o tradicional das salas de aula das escolas do Alentejo”), tudo em ferro, assim como o pequeno escaravelho, que serve para nos ajudar a descalçar as botas. Mas Catarina tem também o catálogo da marca, e, diz com uma gargalhada, vende até coretos.

Para o têxtil-lar, contactou a Lameirinho e a Coelima, que “trabalham para mercados muito exigentes, para grandes marcas, mas que normalmente não aparecem com marca própria”. “O melhor que se faz no mundo nós sabemos fazer”, diz. “A minha dificuldade é ter produto com etiqueta e marca portuguesa porque essa não é a prioridade destas marcas”. Por isso, continua, a próxima aventura de A Vida Portuguesa será “começar a trabalhar de forma mais próxima com algumas fábricas, para criar marcas em conjunto”. 

Entre os clássicos tem ainda as peças de ourivesaria da Topásio, marca do Porto nascida no século XIX e especializada em prata. (“foram aos baús buscar tesourinhos antigos para nós”), a cutelaria da Cutipol e da Ivo, os vidros da Marinha Grande. E os serviços da Vista Alegre, dos quais fez uma escolha. Inclui clássicos e modernos, e ainda, por exemplo, peças como a Colecção Bestiário da artista Bela Silva com tampas-bichos para garrafas.


A importância da manufactura
A viagem pelo país permitiu também a Catarina descobrir outra realidade. “Há um fenómeno interessante a acontecer em Portugal. Há pessoas, entre os 30 e os 40 anos, umas ligadas ao comércio, outras ao design, que andam à procura do que temos de melhor na nossa manufactura e criam marcas a partir daí”. Exemplos são a marca Green Boots, botas artesanais, feitas com sapateiros da zona de Leiria, ou a La Paz, roupa de homem inspirada na vida dos marinheiros, que já exporta para vários países mas que, até agora, não tinha um ponto de venda em Portugal. Ou ainda a Ideal & Co, que faz mochilas em cabedal. “São pequenas marcas, mas são um fenómeno recente e que me parece muito interessante e prometedor”. 

A aposta em produtos que tenham algum grau de manufactura corresponde a uma convicção de Catarina. “Há uma teoria que tenho vindo a defender que é a de que o nosso atraso pode ser o nosso avanço. Por nos termos modernizado e industrializado mais tarde que o resto da Europa, guardámos uma larga experiência de manufactura, que associávamos à pobreza e à miséria durante muito tempo, mas que hoje é uma coisa preciosa em termos europeus, e que não devíamos perder”. O facto de haver marcas novas a aproveitar este saber tradicional “é um sinal de enorme esperança”. Mas, alerta, “há muita gente a morrer sem passar o saber” e há artes, como a latoaria ou a cestaria, que estão a desaparecer.

Na A Vida Portuguesa, as peças distribuem-se pelos dois andares da loja, onde há também uma zona com brinquedos para crianças, e um espaço para livraria. À entrada, debaixo de um tecto coberto de andorinhas de louça que esvoaçam sobre as nossas cabeças, há um horto para quem quiser lançar-se na agricultura doméstica.

O desafio é trazer os estrangeiros até ao Intendente, imaginamos. “Os estrangeiros e os portugueses”, sublinha Catarina Portas, lembrando que, apesar de toda a reabilitação que ali tem acontecido, da visibilidade que o largo conquistou nos últimos tempos, e dos vários projectos que têm vindo a abrir, “o Intendente ainda não é um circuito comercial”. Mas Catarina gosta precisamente de apostar em novos sítios, vê-los a transformar-se e de participar nessa transformação."

Alexandra Prado Coelho
Público, 15 de Outubro de 2013

"A Vida Portuguesa de sempre abre portas num Intendente que se renova"


"É preciso ir atento, quando se atravessa o Largo do Intendente, para reparar na entrada da nova loja de A Vida Portuguesa, a marca criada por Catarina Portas e que já tem lojas no Chiado, em Lisboa, e no Porto. Mas quando olhamos com atenção, vemos que o nome está lá, sobre o portão que dá para o pequeno pátio que conduz até à porta. Não há que enganar: é o pequeno edifício, antigo armazém, e fábrica, da empresa Viúva Lamego, com belíssimos painéis de azulejos como o do chinês de sapatos revirados que segura uma faixa anunciando a histórica fábrica de cerâmica.

No interior, A Vida Portuguesa abre-se a diversas áreas que ainda não explorara: os têxteis, o vestuário, (mais) artigos para casa, as banheiras em ferro fundido esmaltado, os fogões de ferro, e até, para quem quiser, candeeiros de rua e coretos. Catarina Portas contactou novas empresas e marcas portuguesas, da Recor (banheiras) à La Paz (um projecto recente, de roupa para homem), passando pela Topásio (trabalho em prata, de uma marca de prestígio que vem do século XIX). Encontrou projectos como o Green Boots, nascido em 2012, que está a trabalhar com artesãos e a recuperar técnicas que estavam em risco de se perder. E procurou grandes marcas tradicionais, como a Vista Alegre, da qual escolheu alguns dos muitos serviços de louça para apresentar na nova loja.

As peças distribuem-se pelos dois andares da loja, onde há também uma zona com brinquedos para crianças, e um espaço para livraria. À entrada, debaixo de um tecto coberto de andorinhas de louça que esvoaçam sobre as nossas cabeças, há um horto para quem quiser lançar-se na agricultura doméstica.

O desafio é trazer os estrangeiros até ao Intendente, imaginamos - "os estrangeiros e os portugueses", sublinha Catarina Portas, lembrando que, apesar de toda a reabilitação que ali tem acontecido, da visibilidade que o largo conquistou nos últimos tempos, e dos vários projectos que têm vindo a abrir, "o Intendente ainda não é um circuito comercial". Mas Catarina gosta precisamente de apostar em novos sítios, vê-los a transformar-se e a participar nessa transformação."

Alexandra Prado Coelho
Fugas, Público.