terça-feira, 19 de outubro de 2010

Um leque cinco estrelas

Uma das reedições A Vida Portuguesa a pensar no centenário da República, este leque integra a exposição "Viajar - Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da Primeira República". É um charmoso e criativo folheto publicitário, em forma de abanico, concebido para exultar os benefícios das águas de Vidago, "maravilhosas nas doenças do estômago" e divulgar "a melhor estancia de cura e repouso", dotada de "confortáveis hoteis, excelente tratamento, casino, tennis, patinagem, lago, hipismo, campo de golf e praia fluvial". O equivalente da "Vichy portuguesa", pois então. Nem de propósito, o Vidago Palace Hotel foi (re)inaugurado dia 6 de Outubro e o leque regressou à casa-mãe especialmente para a festa - é desta matéria que são feitos os finais felizes. Andreia Marques Pereira esteve lá, em nome da Fugas, jornal Público:

"Nunca foi um hotel qualquer e agora ainda menos, que ganhou uma estrela para fazer cinco. Para isso, desfez o interior para renascer com o espírito original — e isto significa sofisticação, elegância e luxo — e todas as comodidades modernas, incluindo um spa de autor. O Vidago Palace Hotel fez cem anos e foi (re)inaugurado: uma nova vida que se quer igual à dos primórdios.(...)

Não foi uma surpresa total, porque já víramos fotos. Mas a sensação de passar os portões de ferro, caminhar pela alameda mergulhada num bosque centenário que se abre perante a monumental fachada ocre avermelhada é como uma pequena viagem no tempo - e no espaço: de repente poderíamos estar numa estância termal austro-húngara a ver passar uma comitiva imperial. (...)

Na verdade, o Vidago Palace Hotel é uma grande ironia do destino - da História. Foi mandado construir por D. Carlos com toda a pompa e circunstância que a realeza e aristocracia europeia lhe mereciam - queria ali recebê-las e, claro, impressionar. Mas o primeiro sopro da História passou em forma de regicídio e o convidado de honra para a inauguração seria D. Manuel II. Diz-se que esteve marcada para 5 de Outubro de 1910, mas a República intrometeu-se: a abertura foi um dia depois, a 6 de Outubro de 1910, a bênção republicana a substituir o fausto real.

Hotel da república, portanto, este, que até é palácio e que um século depois foi então (re)inaugurado (a 6 de Outubro, embora funcione em modo soft opening desde 30 de Julho): novamente sob o olhar atento do poder, novamente para agradar às classes (mais) abastadas - conseguiu mais uma estrela, chegou às cinco, e entrou no clube restrito dos The Leading Hotels of the World."

2 comentários:

Julius disse...

Obrigado pelo post sobre a minha terra, Vidago.
Não deixem de visitar o blog "Meu Vidago".
Obrigado e cumprimentos,
Júlio Silva

Francisca Menezes disse...

Sempre gostei de tudo o que tem a ver com Portugal sobretudo as coisas mais antigas que fazem perpectuar as nossas memórias